Theatro São Pedro - Porto Alegre

Xaxados e perdidos celebra dez anos com a participação de jovens talentos

No dia 28 de agosto, às 21h, o  espetáculo Xaxados e Perdidos está de volta ao palco do Theatro São Pedro. O espetáculo apresenta um balaio de canções em que o espectador encontra achados e perdidos da enorme produção musical brasileira.  Xaxados e Perdidos é ganhador de quatro prêmios Açorianos, inclusive de Disco do ano em 2012 e esteve representando o Rio Grande do Sul na Semana da Cultura do Rio Grande do Sul no Uruguai, em Montevidéu, dentro do projeto de intercâmbio cultural SUR-SUL.

“Quando bater no coração quatro pancadas e depois um bis”, será possível saber a sensação de ser feliz e ser brasileiro!  Isso é o que diz a canção que dá início ao espetáculo Xaxados e Perdidos: Baião de quatro toques (José Miguel Wisnik/ Luiz Tatit). Parece atual e urgente a pergunta: como encontrar de novo a felicidade no Brasil?

No elenco de músicos, além do trio que concebeu o espetáculo desde seu início (Simone Rasslan, Álvaro RosaCosta e Beto Chedid), estarão também dois instrumentistas convidados: Daniela Luz (violino) e Yago Lima (percussão). Os dois são jovens instrumentistas que começaram seus estudos musicais na Orquestra Villa-Lobos, projeto que nasce numa escola da rede pública municipal, reconhecido por sua produção no campo da educação, da arte e merecedor do Prêmio Açorianos de Melhor Espetáculo em 2019. A cantora Madalena Rasslan, filha de Simone, é mais uma convidada que aponta para a renovação. Madalena também é cria de outro projeto público de educação musical: o Projeto Prelúdio, de extensão da UFRGS.

 

Outro convidado é o Canoas Coletivo de Dança, mais uma participação especial nesta festa de 10 anos de Xaxados e Perdidos. Podemos pensar então que música e dança são linguagens entrelaçadas. O grupo, composto em sua maioria por bailarinos e bailarinas cuja formação começou em projetos criados em escolas públicas de Canoas (colégio estadual Marechal Rondon e E.M.E.F. Rio Grande do Sul), é vencedor do Prêmio FUNARTE de Dança Klauss Vianna em 2015 e selecionado para o edital Ponto de Teatro-2019 do Instituto Ling.

 

Respondemos, ainda que parcialmente: a felicidade do Brasil pode emergir da arte popular e pública que está sendo realizada nas escolas. Trabalho silencioso e obstinado de educadores que não estão nos holofotes. O espetáculo ao mesmo tempo que lembra seus 10 anos de existência, aponta para um futuro convidando  jovens artistas formados em projetos públicos de altíssima qualidade.