Theatro São Pedro - Porto Alegre

Recital apresenta composição inédita em homenagem a Eva Sopher no Musical Évora

Em “Reencontro no Romantismo VI”, Marjana Rutkowski (violoncelo), Eduardo Knob (piano) e Tiago Ribas (violino) executam pela primeira vez a composição The Flight to Stars of Infinity, feita especialmente para Dona Eva

Na próxima quarta-feira, 20 de junho, o Musical Évora homenageará Eva Sopher com o recital “Reecontro ao Romantismo VI”. Na ocasião, a violoncelista Marjana Rutkowski, juntamente com Eduardo Knob (piano) e Tiago Ribas (violino) vão executar pela primeira vez a canção The Flight to Stars of Infinity, escrita pela compositora nova-iorquina Lisa Heffter. A apresentação, que contará também com a participação especial da bailarina Paula Amazonas, ocorre no Foyer Nobre do Theatro São Pedro, às 12h30min, com entrada franca.

The Flight to Stars of Infinity surgiu quando Marjana Rutkowski apresentou a história de Eva Sopher para a compositora nova-iorquina Lisa Hefter e solicitou que ela escolhesse uma de suas composições para ser executada no recital do Musical Évora. Ambas são amigas e participam anualmente do ArtsAhimsa Festival em Lenox, Massachussets. Encantada com a trajetória de vida de Dona Eva, Lisa resolveu escrever uma canção especial em sua homenagem. A obra traz elementos que remontam as origens judaicas de Dona Eva, sua vinda para o Brasil e a brilhante jornada na reconstrução do Theatro São Pedro. “Escrever esta peça foi uma jornada pessoal para mim. Eu senti a presença de Eva Sopher por muitas razões – uma minha querida tia é sobrevivente do holocausto, e Atom & Eve, minha primeira ópera teatral, foi inspirada por um conto popular brasileiro.”, comenta a compositora.

O Musical Évora é uma realização da Associação Amigos do Theatro São Pedro, com o patrocínio da Évora Holding S.A. O projeto proporciona à comunidade apresentações ao vivo, com entrada franca, sempre nas quartas-feiras úteis, trazendo o trabalho de músicos de diferentes regiões do país e do exterior. As apresentações têm em torno de 45 minutos, contemplando diferentes estilos, como erudito, MPB, choro e jazz.

>> Sobre a canção The Flight to Stars of Infinity

The Flight to Stars of Infinity começa com as estrelas brilhantes dos céus; o violoncelo toca harmônicos etéreos invocando o “shema”, a oração de 5.000 anos da herança judaica de Eva, mas acordes dissonantes anteveem o perigo iminente de desenraizamento de sua família pelo nazismo (implícito nos curtos tons ásperos representando tiros, e notas graves no piano em tritones representando o bater de botas marchando) forçando a mudança para o Brasil. Ao longo da obra, a música se expande e contrai elicitando dificuldades e memórias melancólicas no processo de se aclimatar a um novo país.

Uma melodia surge quando Eva encontra alegria e amor. Com a variedade de novas experiências brasileiras somando-se ao passado europeu, as linhas melódicas se intensificam novamente, simbolizando a tarefa de resgatar o ambiente cultural de Porto Alegre através da restauração do Theatro São Pedro. A música então reflete a retomada dos eventos artísticos com acordes tonais e padrões estruturados de notas musicais.

Finalmente, um tema emerge em reminiscência às atribulações de Eva, que é reapresentado com uma triste doçura, trazendo o sentimento de uma vida bem vivida, honra a aceitação da finalidade da morte, elevando-se ao etéreo com o retorno às estrelas onde Eva e todo o tempo da humanidade são infinitos para sempre.