Theatro São Pedro - Porto Alegre

Orquestra de Câmara Theatro São Pedro convida Nelson Freire

Sob a regência do Maestro Evandro Matté, nos próximos dias 08 e 09 de julho a Orquestra de Câmara Theatro São Pedro (OCTSP) recebe um dos pianistas mais prestigiados da atualidade. Nelson Freire que já esteve no Theatro São Pedro algumas vezes, volta neste ano para prestar sua homenagem a Eva Sopher com o Concerto Nº 2 em Fá menor de Frédéric François Chopin, uma das obras preferidas de Dona Eva. O concerto inicia com a interpretação da Abertura da ópera “As bodas de Fígaro” e a Sinfonia Nº 40 de Wolfgang Amadeus Mozart pela OCTSP, que após um breve intervalo, acompanha Nelson Freire em sua interpretação de Chopin.

No dia 08 de julho, domingo, o concerto tem início às 18 horas e no dia 09 de julho, segunda-feira, às 20 horas.

Os ingressos podem ser adquiridos na bilheteria do teatro ou pelo site: vendas.teatrosaopedro.com.br

SERVIÇO:
O quê: Orquestra de Câmara Theatro São Pedro convida Nelson Freire
Quando: 08 de julho – domingo – 18 horas | 09 de julho – segunda-feira – 20 horas
Onde: Theatro São Pedro – Praça Mal. Deodoro, s/n – Centro Histórico – Porto Alegre – RS
Contato para entrevistas: whats | fone: (54) 9 9998 7307 | fone: (51) 9 98587307
Ingressos à venda na Bilheteria do Teatro ou pelo site: vendas.teatrosaopedro.com.br

Valores:

50% DE DESCONTO PARA:
Associados da AATSP (ingressos limitados); Idosos – Lei Federal 10.741/2003; estudantes, pessoas com deficiência e jovens de baixa renda – Lei Federal 12.933; doadores de sangue – Lei Estadual 13.891.

PLATEIA: R$ 360,00
CAMAROTE CENTRAL: R$ 320,00
CAMAROTE LATERAL: R$ 200,00
GALERIA: R$ 80,00

Repertório

Mozart, Wolfgang Amadeus – Abertura “As Bodas de Fígaro”

Mozart, Wolfgang Amadeus – Sinfonia Nº 40

Chopin, Frédéric François – Concerto Nº 2 para piano e orquestra

Convidado: Sr. Nelson Freire

Nelson Freire: nascido numa pequena cidade do interior de Minas, Nelson Freire é hoje um artista universalmente consagrado, recebedor de honrarias em muitos países do mundo, convidado a tocar nas melhores salas de concerto, com as orquestras mais prestigiosas e os regentes mais em evidência. Suas gravações se sucedem, cada uma indo mais longe na exploração interpretativa das obras que ilumina com um inigualável poder de recriação.

As pompas do mundo, contudo, não alteraram o caráter do menino nativo de Boa Esperança, transplantado para o Rio de Janeiro com apenas cinco anos de idade. Sua família, impressionada pelos precocíssimos sinais de talento do seu caçula, mudou-se em peso para a grande cidade em busca das melhores condições de ensino musical. E assim ocorreu. Orientado por duas mestras de nível superlativo, a gaúcha Nise Obino e a paulista Lúcia Branco, aos quatorze anos de idade já podia ser considerado um grande mestre do piano.

Com 12 anos, classificado como finalista no I Concurso Internacional de Piano do Rio de Janeiro (no júri, Guiomar Novaes), recebeu do então presidente Juscelino Kubitschek uma bolsa de estudos que o levou a Viena, onde estudou sob a direção do mestre Bruno Seidlhofer. Aos 19 anos conquistou o primeiro prêmio no Concurso Internacional Vianna da Motta, em Lisboa, o que lhe garantiu a representação por uma importante agência de empresários musicais, Conciertos Daniel, com sede em Madri. Nessa fase, tocou em quase todos os países da América Latina e também na Espanha.

Seu grande début se deu aos 23 anos, numa apresentação em Londres considerada pela crítica como sensacional. O crítico do Times chama-o então “o jovem leão do teclado”. Um ano mais tarde estreia em Nova York com a Orquestra Filarmônica, concerto que lhe valeu o comentário da revista Time: “um dos maiores pianistas dessa ou de qualquer outra geração”.

A partir de então, ao longo de cinco décadas e com atuações em cerca de 70 países, Nelson Freire se tornou uma estrela de máxima grandeza no cenário internacional. Ele gravou para a Sony/CBS, Teldec, Philips e Deutsche Grammophon. Desde 2003, ele tem contrato de exclusividade com a DECCA. Seus discos obtiveram os prêmios Diapason d’Or, Grand Prix du Disque, Victoire d´Honneur, Edison Award, Gramophone Award e o Grammy Latino por “Nelson Freire Brasileiro”, em 2013. Recebeu numerosas condecorações como a de Cidadão Carioca, Cavaleiro da Ordem do Rio Branco, Légion d’Honneur, Comendador des Arts et des Lettres, Medalha Pedro Ernesto, Medalha da cidade de Paris, Medalha da cidade de Buenos Aires e o doutorado honoris causa pela Escola de Música da UFRJ e da Universidade Federal de Minas Gerais.

Apresentou-se com os regentes de maior prestígio como Valery Gergiev, Riccardo Chailly, Yuri Temirkanov, Seiji Osawa, Charles Dutoit, André Previn, Pierre Boulez, Lorin Maazel, Kurt Masur, Eugen Jochum, Rudolf Kempe, Rafael Kubelik e Sir Colin Davis com as orquestras Filarmônicas de Berlim, Londres, Nova York e Israel, a Concertgebouw de Amsterdam, a Gewandhaus de Leipzig, as Sinfônicas de Paris, Nacional da França, Munique, Tóquio, São Petersburgo, Boston, Chicago e Viena.

É constantemente convidado a integrar o júri de grandes certames internacionais de piano como os concursos Chopin, Tchaikovsky e Van Cliburn.

Em 2002, o cineasta João Moreira Salles estreou o documentário “Nelson Freire – um filme sobre um homem e sua música”, comovente retrato do pianista, de sua vida e arte sua.

Em 2018, apresentou-se na Philharmonie de Paris, Philharmonie de Berlin, Scala de Milão, Concertgebouw de Amsterdam, Ópera de Sydney e Carnegie Hall. E com muito orgulho agora no Theatro São Pedro por onde passaram grandes artistas e que, graças ao ardoroso empenho de Eva Sopher se mantém erguido como patrimônio cultural de Porto Alegre.

Fluente em vários idiomas, Nelson Freire mantém-se fiel ao Rio, sua cidade de eleição, e a ela sempre retorna nos intervalos de sua agenda de concertos mundo afora.

O concerto desta noite tem apoio do Banrisul, Governo do Estado do Rio Grande do Sul e Stihl.