Theatro São Pedro - Porto Alegre

Armindo Trevisan lança o livro “O credo de São Tomás explicado a um jovem de hoje”, no Theatro São Pedro

No sábado (06/09), ocorre o lançamento do livro “O credo de São Tomás explicado a um jovem de hoje”, do gaúcho, Armindo Trevisan. No presente livro, o autor oferece uma série de “tapeçarias” de natureza filosófica, teológica, cultural e literária (daí as abundantes citações que enriquecem seu texto). Uma reflexão atualizada sobre a Fé Cristã, em que se valoriza, em especial, o tesouro da Igreja Católica, porém associando-o às contribuições das Igrejas Cristãs irmãs, sem minimizar a contribuição ocasional de autores agnósticos e ateístas, que porventura tenham contribuído para o fundo comum do Humanismo Cristão, ou para a elevação espiritual da Humanidade.

O modelo doutrinal do autor é o proposto por Blaise Pascal (1623-1662) em dois de seus “Pensamentos”.

– O procedimento de Deus, que dispõe de todas as coisas com brandura,
consiste em colocar a religião no espírito pelas razões e no coração pela graça (…).

– Se submetermos tudo à razão, a nossa religião não terá nada de misterioso e de sobrenatural;
se violentarmos os princípios da razão, a nossa religião será absurda e ridícula.

Sobre o autor:
Armindo Trevisan nasceu em Santa Maria, RS, em 1933. Doutorou-se em Filosofia pela Universidade de Fribourg, Suíça. Em duas ocasiões foi bolsista da Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa.
É professor aposentado de História da Arte e Estética na UFRGS – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, onde também ministrou aulas no curso de Pós-Graduação em Artes Visuais.

Obteve em 1964 o “Prêmio Nacional de Poesia Gonçalves Dias”, da União Brasileira de Escritores. A Comissão Julgadora, que premiou A Surpresa de Ser, estava constituída por Carlos Drummond de Andrade, Manuel Bandeira e Cassiano Ricardo, “o júri mais rigoroso e credenciado já organizado no Brasil”, na opinião de Moysés Vellinho.

Em novembro de 1972, foi-lhe atribuído, entre mais de 150 obras concorrentes, o “Prêmio Nacional de Brasília”, para poesia inédita, pelo original O Abajur de Píndaro.

Publicou na sequência diversos livros de poemas e ensaios, destacando-se: O Ferreiro Harmonioso; A Escultura dos Sete Povos; Escultores Contemporâneos do Rio Grande do Sul; Reflexões sobre a Poesia; Como Apreciar a Arte; Os Olhos da Noite; O Canto das Criaturas e Orações para o Novo Milênio.
Recebeu o Prêmio APLUB (Associação dos Profissionais Liberais

Universitários do Brasil) de Literatura 1997 pelo livro A Dança do Fogo (Porto Alegre, Uniprom, 1995, 3ª ed., 1997).

Em 2001, foi o patrono da Feira do Livro de Porto Alegre.

Em 2003, publicou O Rosto de Cristo: A Formação do Imaginário e da Arte Cristã (2ª ed., Editora AGE), que em 2004 lhe valeu o prêmio Fato Literário, concedido anualmente pela RBS ao fato, personalidade ou instituição que mais contribuiu para as letras rio-grandenses no ano anterior.

Depois da coletânea de poemas O Sonho nas Mãos (Editora AGE, 2004), seguiram-se diversas outras publicações, que têm seu ponto culminante em Cartas à Minha Neta (Editora AGE, 2007), Adeus às Andorinhas (Editora AGE, 2008), Adaga Imaginária (L&PM, 2013), livros de poemas.

Ainda em 2008, publicou Vamos Aprender Poesia?, com o objetivo de mostrar que o prazer poético está ao alcance de todos. Em 2014, editou Uma Viagem Através da Idade Média, pela Editora AGE.

Armindo Trevisan tem poemas e ensaios traduzidos em várias línguas, especialmente alemão, italiano, espanhol e inglês.